quarta-feira, 12 de dezembro de 2012


Mocidade e Senescência
              
Bateu-me cedo à porta a vetustez,
Quando me havia ainda mocidade;
Vi se enrugar em súbita acuidade,
O celular vigor da minha tez.

Das minhas mãos, que outrora em avidez
Gozavam a fartar jovialidade,
Caíram no tremor da minha idade
Lançadas no torpor da languidez.

E os meus ouvidos dantes tão precisos...
E os lábios meus ornados pelos risos...
Tudo se foi... Assim se já conclui!...

Somente os olhos meus não se fanaram,
Pois, na retina — trágicos — guardaram,
Essas visões remotas do que eu fui.

Derek Soares Castro
12 de Dezembro de 2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário