terça-feira, 21 de agosto de 2012



Spleen

                                                                                Numa inútil vontade de viver...
                                                                                            Guilherme de Almeida


Minh'alma já nos píncaros da idade,
Mantém-se neste corpo enfraquecido;
Dos braços meus a força tem partido,
Da vista já m'embaça a claridade.

Tudo me amua, vivo em soledade,
E passo a estertorar, ando esquecido.
Do mundo me fiz sombra, tão sumido,
Da vida eu já perdi toda a vontade...

Tardes, manhãs e noutes, igualmente,
Ficam transpondo assim, inutilmente,
Perdidas, fugidias por aí...

Ainda nessa inútil existência,
Cogito avidamente na ciência,
Qu'eu a este mundo nunca pertenci!

Derek Soares Castro
28 de Novembro de 2011

4 comentários:

  1. Perfeito, Derek! É ótimo reler seus versos...

    ResponderExcluir
  2. Saudade de seus belos e perfeitos sonetos amigo.
    Mais uma perola.
    Meu abraço amigo.

    ResponderExcluir
  3. Meu amigo, venho ao teu Jazigo Perpetuo depositar minha Flores.
    Deixo um convite para que venhas ao Jazigo de Lírio das Almas.
    Será uma honra recebê-lo.
    Por ora, um fraterno abraço.

    ResponderExcluir