terça-feira, 25 de outubro de 2011

(Cemitério São Sebastião - Rosário do Sul - Foto por Derek Soares Castro)

Cristo de Mármore

Se este Cristo marmóreo escutasse
Os segredos que um dia trocamos,
As promessas que outrora juramos,
— Ah, talvez que Ele a rir se cansasse;

Se este Cristo marmóreo lembrasse
Dos amores que nós sustentamos,
Tudo aquilo que nós partilhamos,
— Talvez Ele hoje, então duvidasse.

Se o que rimos aos nossos vint'anos,
Ais d'amor, ais de sonhos e enganos...
E se então tivesse olhos e visse,

Os espectros que nós hoje somos,
Tão mudados daquilo que fomos...
— Talvez que Ele a chorar se partisse.

Derek Soares Castro

* Versos Eneassílabos em Gregoriano Anapéstico (3ª, 6ª e 9ª)
*Adaptação em soneto do epitáfio “A Pedra” de Carlos Amaro.

5 comentários:

  1. Bravo Derek,voce é um às dos sonetos perfeitos é sempre agradavel ler suas inspirações.Parabens e bela foto amigo,ainda que esteja em lugar frio e triste uma obra de arte bela se ver.
    Meu terno abraço amigo.

    ResponderExcluir
  2. Salve poeta!
    (...) Os espectros que nós hoje somos!
    Excelente.
    Abrçs.

    ResponderExcluir
  3. Olha, já conhecia alguns textos seus do Recanto das LetraS... Digo-te com toda sinceridade de minha alma, amo teu estilo!

    Beijos poéticos na alma!

    ResponderExcluir
  4. Poeta, estou encantado com teus sonetos e demais versos, tens vertido a nós - por eles - todo seu talento fúnebre. Anseio por lê-lo daqui dez ou vinte anos, tens inda muito mais que nos mostrar de tua antologia. Poetas como tu celebram muito mais a morte, em vida!

    Teu estilo é saudoso e lembra grandes nomes, fico feliz que inda tenha quem o valoriza!

    Estou à adorar te ler. Siga poeta!

    Um grande e sincero abraço.

    ResponderExcluir
  5. Outro que eu não conhecia, acho que precisas me presentear novamente caro amigo, tens sonetos belos, indescritivelmente lindos, quanta honra ler-te um abração.

    ResponderExcluir